face.jpg
insta.jpg

ATO PÚBLICO EM PIRABAS: QUEREMOS RESPEITO TODAS/OS CONTRA O PRECONCEITO

Autor:

Ato público #QueremosRespeitoTodasetodosContraOpreconceito

Com faixas e cartazes, manifestantes realizaram, na tarde de ontem (05/09), uma caminhada pacifica pela rua principal do município de São João de Pirabas (do antigo Posto Fiscal até a Praça da Cidade). O ato contra a homofobia, ódio, todo tipo de preconceito e discriminação contou com a presença de Conselheiras/os do CRESS 1ª Região, trabalhadores da assistência social, profissionais da saúde e da educação, diversos movimentos sociais, grupos religiosos, representantes da OAB/PA, dos movimentos LGBTI e da juventude Pirabense.

A manifestação aconteceu por causa de publicações preconceituosas divulgadas nas redes sociais, contra estudantes e professores/as da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Francisco da Silva Nunes que pretendiam debater diversidade étnica, cultural, religiosa, e de gênero no desfile de sete de setembro. (Confira a nota da Diretora da Escola).

A assistente social do município de Pirabas, Tâmara Cruz, falou sobre o ato realizado pela categoria do Serviço Social : “Dentre tanta barbárie, tanta exclusão e tanto desmonte das políticas públicas vivenciadas nos últimos anos, não podemos ficar quietos e muito menos calados, precisamos lembrar que o povo nas ruas tem voz e força! Abordar diversidade no âmbito escolar é buscar um futuro no qual não tenha preconceito, violência e crimes de ódio. Nossas crianças e adolescentes precisam compreender que RESPEITO se tem com TODOS, independente da sua raça, religião (ou ausência dela), orientação sexual, cultura e etc. Um dia para ficar na memória, na história e o primeiro passo para mostrar que não nos calarão. São João de Pirabas tem resistência sim!”

O CRESS/PA, como representante da categoria das/os assistentes sociais, tem expressivo interesse pela eliminação de todas as formas de preconceito, motivando o respeito a diversidade. O Conselho entende serem válidas as manifestações de pensamento, como direito constitucionalmente garantido e não aceita que discursos e ações extremistas que incitem a violência e o preconceito desconstruam direitos conquistados através de tanta luta.

Agradecemos à todas/os que participaram e seguimos na luta contra qualquer tipo de preconceito. Não nos calarão! Avante na construção e reconstrução dos direitos! Cederemos? Jamais!